sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Faça o bem, mas faça certo

Faça o bem, mas faça certo

Faça o bem, mas faça certo (Piên - Poço Frio – 2011)

      O motoqueiro vinha trafegando pela estrada de Poço Frio em direção ao centro de Piên numa velocidade de mais ou menos uns 90 km por hora, o que para nossas estradas de pedra e terra é uma velocidade incrível.
      Vinha ele concentrado no acelerador e nas curvas quando levou uma cacetada no capacete que foi de estalar os miolos, pá. Parou a moto, tirou o capacete, olhou nele mas não viu marca nem uma, olhou para o mato para ver se não tinha ninguém lhe fazendo sacanagem, também nada. Quando estava montando na moto e prestes a por o capacete, viu um passarinho todo estropiado caído lá adiante.
      Desceu da moto, largou o capacete e foi ver o pássaro mais de perto. Constatou que era um simples João de barro. Condoído de compaixão, pegou o pobre coitado e levou-o até um veterinário para ver se conseguia salvar a vida do infeliz. O médico veterinário fez o possível e o impossível, colocando as quebraduras no lugar, passando remédios nas feridas, enfaixando e tudo o mais.
      O motoqueiro preocupado com a vitima do atropelamento, perguntou ao veterinário o que ele deveria fazer para cuidar melhor do passarinho. O veterinário disse para ele que arranjasse uma boa gaiola com água fresquinha e muita comida. Quando ele se recuperar você solta.
      Os dias foram passando e no final de trinta dias o João de Barro levantou do seu cochãozinho de palha. Já totalmente recuperado, resolveu dar uma olhada melhor para ver para ver onde estava e percebeu uma botija com muita comida, logo do lado preso entre dois ferrinhos, uma suculenta alface, do outro lado água fresquinha. Uau! Era tudo que ele queria na vida, não precisava de mais nada! Opa precisava sim, precisava voar. Levantou suas asas bem devagarzinho com medo de dor, mas não doeu. Bateu de leve e ela funcionou, bateu mais forte e quase levantou vôo. Não se contendo de felicidade, olhou para cima, grade. Para baixo, grade. Olhou para um lado e para o outro, grade. O pássaro com o coração aos pulos de pavor dice: Meu Deus! Matei o motoqueiro e agora estou preso!! Deu um suspiro e morreu.
**Esta histórinha depois virou piadinha**

Con.te.vi!

Nenhum comentário:

Postar um comentário