quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Moleque encardido

Moleque encardido
 
Moleque encardido (Piên – Picacinho - 2011)
Uma vez no Picacinho, um moleque safado de pés craquentos não gostava de repartir nada com ninguém, só que quando tinha que negociar com gente grande queria mostrar-se educado e importante mas, não conseguia se livrar da mania.
Um belo dia foi visitar seu Nardo, este pediu um favor para o menino e deu-lhe de presente uma paca. Chegando em casa o pai do menino ficou muito contente dele ter trazido o bicho e não se contendo pediu para fazer um guisado para comerem, então o menino deu e saiu choramingando:

MEU PAI! QUERO MINHA PACA,
MINHA PACA QUE O NARDO DEU,
MEU PAI COMEU MINHA PACA,
PACARAPACA QUE O NARDO DEU;

O pai vendo a choradeira do filho deu-lhe uma pêra. Este deu para o cavalo que comeu. Então o menino saiu choramingando:

CAVALO DEVOLVE MINHA PÊRA,
PÊRA QUE MEU PAI DEU,
MEU PAI COMEU MINHA PACA,
PACARAPACA QUE O NARDO DEU.

O cavalo já tinha comido a pêra, então deu-lhe uma ferradura . Este deu para o ferreiro que derreteu. Então o menino saiu choramingando:



FERREIRO, DEVOLVE MINHA FERRADURA,
FERRADURA QUE O CAVALO DEU,
CAVALO QUE COMEU MINHA PÊRA,
PÊRA QUE MEU PAI DEU,
MEU PAI COMEU MINHA PACA,
PACARAPACA QUE O NARDO DEU.

O ferreiro já tinha derretido a ferradura, então deu-lhe um avental. Este deu para a lavadeira que molhando, encolheu. Então o menino saiu choramingando:

LAVADEIRA DEVOLVE MEU AVENTAL,
AVENTAL QUE O FERREIRO DEU,
FERREIRO QUE DERRETEU A FERRADURA,
FERRADURA QUE O CAVALO DEU,
CAVALO QUE COMEU MINHA PÊRA,
PÊRA QUE MEU PAI DEU,
MEU PAI COMEU MINHA PACA,
PACARAPACA QUE O NARDO DEU.

A lavadeira já tinha molhado e encolhido o avental, então deu-lhe um balaio. Este deu para o fumeiro que chegando no fogo queimou. Então o menino saiu choramingando:

FUMEIRO, DEVOLVE MEU BALAIO,
BALAIO QUE A LAVADEIRA DEU,
LAVADEIRA QUE ENCOLHEU O AVENTAL,
AVENTAL QUE O FERREIRO DEU,
FERREIRO QUE DERRETEU E FERRADURA,
FERRADURA QUE O CAVALO DEU,
CAVALO QUE COMEU MINHA PÊRA,
PÊRA QUE MEU PAI DEU,
MEU PAI COMEU MINHA PACA,
PACARAPACA QUE O NARDO DEU;

O fumeiro já havia queimado o balaio, então deu-lhe um carrinho de pau. Este deu para um lenhador que meteu o machado e quebrou. Então o menino saiu choramingando:

LENHADOR DEVOLVE MEU CARRINHO,
CARRINHO QUE O FUMEIRO DEU,
FUMEIRO QUE QUEIMOU MEU BALAIO,
BALAIO QUE A LAVADEIRA DEU,
LAVADEIRA QUE ENCOLHEU O AVENTAL,
AVENTAL QUE O FERREIRO DEU,
FERREIRO QUE DERRETEU A FERRADURA,
FERRADURA QUE O CAVALO DEU,
CAVALO QUE COMEU MINHA PÊRA,
PÊRA QUE MEU PAI DEU,
MEU PAI COMEU MINHA PACA,
PACARAPACA QUE O NARDO DEU.

O lenhador já havia quebrado o carrinho, então deu-lhe sua filha para namorar. Então o menino saiu gritando:

DA PACA QUE BOTOU UMA PERA,
A PERA QUE VESTIU FERRADURA,
A FERRADURA EMBOLOU NO AVENTAL,
O AVENTAL ESCONDEU NO BALAIO,
O BALAIO QUE O CARRINHO LEVOU,
PARA A MENINA QUE ME NAMOROU.

Con.te.vi!

Nenhum comentário:

Postar um comentário